Petição: Pela liberação das horas para a contratação de professores temporários das IES do PR!

25 de julho de 2019 / Comments (0)

Destaques Notícias

SENSIBILIZE-SE!  As universidades paranaenses estão passando por momentos sombrios. A não nomeação de professores concursados sucateia as universidades há muito tempo. Anualmente elas precisam aguardar pela autorização de carga horária para contratação de professores em regime de trabalho temporário, feita pelo governo em cada início de ano, via decreto. O contrato temporário é uma forma de sucateamento da força de trabalho de um trabalhador (professor) especializado. Esse não tem as mesmas condições que os efetivos, não tem os mesmos direitos trabalhistas e, geralmente, sua carga horária para pesquisa é reduzida. Esse professor concentra boa parte de sua atividade em sala de aula. É tratado como se fosse um professor horista o que desloca completamente sua função social em relação às comunidades que contribuíram com sua formação. Mesmo diante de tais condições, esses profissionais são necessários e fundamentais ao funcionamento das universidades paranaenses.

Até o momento (23/07/2019) o Governo não autorizou as horas para manter os contratos dos temporários no segundo semestre de 2019, o que ameaça as universidades de manterem suas atividades. Estes professores estão com seus empregos ameaçados. Somente na UEM são mais de 400 temporários! Outras IESs do Paraná estão na mesma situação. Na UEL, são mais de 300 temporários. São pessoas com risco de perder o emprego a partir do dia 31/07/2019. Cerca de mil famílias ficarão em situação precária, na região
de Maringá, Londrina, Cascavel, Ponta Grossa, Umuarama e Paranavaí. Sem contar no prejuízo para o funcionamento das universidades, para o alunos e a comunidade. Na Unespar, há cursos que perderão 70% de seu quadro docente. Situação semelhante ocorre em vários cursos da UEM e UEL. Na UEL, por exemplo, o reitor está em vias de decidir entre manter as atividades no hospital universitário que atende à comunidade ou manter as atividades de ensino.  Assim serão inviabilizados os trabalhos de ensino, de pesquisa e de extensão também na UEPG e na Unioeste. Essa situação precisa ser revertida até 31 de julho de 2019, data em que muitos contratos serão encerrados. Sem esse decreto liberando as horas para manter os contratos dos temporários para o segundo semestre de 2019 as universidades ficarão com suas atividades inviabilizadas. Isso é urgente e afetará diretamente as populações dos municípios em que nossas universidades oferecem serviços nas áreas de saúde e de educação, principalmente.

Portanto, pedimos o seu apoio neste momento nesta questão da liberação das horas para manter os contratos dos professores temporários no segundo semestre de 2019!

Clique aqui e assine a petição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *