CHAMADAS PARA PUBLICAÇÃO REVISTA ABUSÕES – UERJ

12 de agosto de 2019 / Comments (0)

Chamadas Destaques

Submissões até 03 de novembro de 2019.

boom da ficção científica (FC)

www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/abusoes/announcement/view/956

Organizadores: Eneias Tavares (UFSM), Roberto Causo (crítico, antologista e ficcionista) e Suellen Cordovil (UNIFESSPA)

Constata-se um boom da ficção científica (FC) mundo afora, impulsionado pela diversidade de media que a veiculam, nesses tempos da cibercultura, com o incremento da rede digital, através de computadores e outros suportes tecnológicos, como notebookstabletssmartphonessmart tvs. Esse fenômeno retroalimentou a literatura, o cinema, a televisão, os videogames e jogos de tabuleiro, proporcionando o investimento em remakes ou novas edições e o lançamento de obras inéditas. Diante dele, a crítica voltou o olhar para os produtos que despontaram no mercado e revisitou fundamentos teóricos e metodológicos para a abordagem da FC. Assim, tanto a produção ficcional, quanto a teórica e crítica vivem um mesmo boom em torno da FC, parcialmente propelido por um novo entendimento da função do gênero e das produções midiáticas no questionamento de papéis sexuais e questões identitárias e étnicas. Espera-se com este número da Revista Abusões, cujo tema é “O boom da ficção científica (FC)”, trazer à baila artigos produzidos no Brasil e no estrangeiro, escritos em português, espanhol, galego, francês, italiano, inglês ou alemão, que abordem: (1) vertentes da FC como cyberpunk,steampunktupinipunk ou afropunk entre outras mais; (2) relações interartes do fenômeno narrativo da FC em media variados; (3) proposições teóricas ou conceituais acerca da FC em sua diversidade; (4) críticas interpretativas de obras ou autores da FC em perspectiva comparatista ou não. O número não publicará artigos de tema livre, e as submissões que não se aproximem, de alguma maneira, de sua temática serão descartados.

A distopia e o gótico

www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/abusoes/announcement/view/953

Organizadores: Anderson Gomes (UFRRJ), André Cardoso (UFF) e Pedro Sasse (UERJ)

O gótico pode ser descrito como a expressão de uma visão desencantada do mundo, como um modo de escrita que se manifesta de forma recorrente em momentos de crise epistemológica e social, dando voz a ansiedades relacionadas às estruturas de poder, à influência crescente da ciência e à própria natureza do ser humano. Seguindo as abordagens transhistóricas mais recentes, o gótico, mais que um gênero confinado a um contexto artístico e sociocultural específico, é um modo discursivo explorado pelos mais diversos gêneros para comunicar os medos e ansiedades próprios de seus contextos. Dessa forma, o gótico permeia, além de obviamente o horror, gêneros como o romance policial, a fantasia e a ficção científica. Nesta, a distopia ganha destaque não só se apropriando desse modo discursivo como compartilhando muitas das ansiedades associadas ao gótico. Fundamentais para o estabelecimento do próprio gótico, os romances de Ann Radcliffe e M. G. Lewis, por exemplo, têm, segundo David Punter e Glennis Byron (The Gothic, 2004), uma preocupação central com a tirania e seus efeitos. O sofrimento psicológico, nessas obras, não raramente está ligado a dilemas políticos desde seus primórdios, oferecendo imagens da violência social, antes associada ao passado feudal aristocrático a ser superado e hoje apontando o futuro como um horizonte de ameaça e desintegração. Linda Dryden (The Modern Gothic and Literary Doubles, 2003), por sua vez, associa a transição do gótico para o contexto urbano no século XIX a uma perspectiva cada vez mais pessimista da sociedade e à tentativa de lidar com as precárias condições de vida nas grandes cidades, principalmente no que dizia respeito à população mais pobre. Já para Fred Botting (Gothic, 1996), a ficção gótica é dominada por incertezas relacionadas à natureza do poder, da lei e da sociedade. Pode-se perceber, então, que o gótico possui uma profunda afinidade com a distopia: ambos expressam uma visão negativa do mundo social, oferecendo uma imagem sombria do futuro e tendo como um de seus temas centrais os excessos do poder e do autoritarismo. Compartilhando preocupações e perspectivas semelhantes, tanto o gótico quanto a distopia são formas de interpelar criticamente a modernidade. Em homenagem aos 70 anos da morte de George Orwell, este dossiê temático propõe investigar os pontos de contato entre o gótico e a distopia, examinando de que maneira as narrativas distópicas estabelecem um diálogo com a literatura gótica, incluindo seus modos de representação em diferentes meios para além da literatura, como o cinema, as séries de televisão e as histórias em quadrinhos. Interessam-nos artigos que discutam a retomada de temas e figuras do gótico pelas distopias, como o aprisionamento, a monstruosidade, a imagem da cidade labiríntica, o receio com os excessos da ciência, a exploração dos limites do humano e a relação entre racionalidade e irracionalidade, além do uso de elementos góticos na representação visual das sociedades distópicas.

www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/abusoes/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *