Palestra “Há uma via para a Linguística popular/Folk Linguistics dentro das ciências da linguagem do/no Brasil?”

11 de novembro de 2019 / Comentários desativados em Palestra “Há uma via para a Linguística popular/Folk Linguistics dentro das ciências da linguagem do/no Brasil?”

Destaques Menores Eventos Notícias

Palestrante: Prof. Dr. Roberto Baronas (DL/PPGL/UFSCar-CNPq)
Data: 13/11 às 17h na sala B108
Inscrições até 12/11 pelo link https://bit.ly/2NCfCbQ
Evento no Facebook  https://bit.ly/2qixzEv
Haverá certificação.
 
Resumo: Embora não exista o campo de estudos em linguística popular no Brasil, as discussões populares sobre a língua desde alhures estão presentes no nosso cotidiano. Por exemplo, toda a descrição que Anchieta fez do Tupinambá no século XVII, os glossários elaborados pelos viajantes europeus nos séculos XVIII e XIX, ou mesmo as disputas entre os modernistas e os parnasianos sobre a existência/necessidade de uma língua nacional no final do XIX e início do século XX ou o magistral trabalho realizado por Amadeu Amaral em seu O Dialeto Caipira, além das recentes polêmicas entre gramáticos, linguistas e não-linguistas sobre o livro Por uma vi da melhor poderiam ser designados como fazendo parte de uma linguística popular/folk linguistics. A rigor a folk linguistics designa todo o trabalho sobre linguagem, isto é, os saberes espontaneamente construídos pelos mais diversos atores sociais, que não estão necessariamente fundamentados em uma suposta teoria científica da linguagem. Não estar fundamentado em uma teoria científica não invalida esses saberes. Trata-se de pensar na esteira da pesquisadora francesa Marie-Anne Paveau (2008) para quem as abordagens científica e popular são antieliminativas. Com base em Paveau, entendemos a linguística popular de maneira escalar e não binária, isto é, não está em contradição com a linguística acadêmica, podendo, portanto, a primeira ser plenamente integrada a um estudo científico da linguagem. Como sabiamente afirma Paveau (2008, p. 8), “os enunciados populares não são necessariamente crenças falsas, equivocadas a serem eliminadas da ciência. Constituem ao contrário saberes perceptivos, subjetivos e incompletos a serem integrados aos dados científicos da linguística”. O objetivo primeiro desta palestra é, por um lado, apresentar a Linguística popular/Folk Linguistics como um campo pertinente de estudos da linguagem do/no espaço brasileiro e, por outro, o estado da arte deste campo no contexto francês, germânico e anglo saxão.