Nota dos editores da Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea

7 de junho de 2021 / Comentários desativados em Nota dos editores da Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea

Destaques Notícias

A revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, do Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea da Universidade de Brasília, comunica que está encerrando definitivamente suas atividades devido à falta de financiamento. Em circulação desde 1999, foram publicados 62 números até este ano, sem interrupções nem atrasos. A revista é qualificada como A1 na avaliação da Capes e indexada no Scielo, Scopus, Redalyc e em inúmeros outros indexadores nacionais e internacionais, sendo reconhecida pelos pesquisadores da área, no Brasil e no exterior. Sempre foi editada com recursos insuficientes, contando com a colaboração gratuita de professores e estudantes, que roubavam tempo de seu descanso para produzi-la, por acreditarem em um projeto de reflexão crítica e plural sobre a literatura e o campo literário brasileiros atuais.

 

Com o desaparecimento dos editais de apoio a publicações no Brasil e sem suporte institucional (ainda que a Estudos tenha sido um dos únicos três periódicos da UnB a receber nota máxima na última rodada de avaliação da Capes), não há como dar continuidade ao trabalho. Esta é uma das consequências do desmonte da educação pública e da pesquisa no país, especialmente na área de Humanas. Os reflexos do fechamento de uma revista desse porte para os programas de pós-graduação em literatura são grandes. Só no último ano, a revista publicou 50 textos, de pesquisadores ligados às mais diferentes instituições brasileiras e também do exterior.

 

A inviabilização de uma revista como a Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, que comunga dos ideais da ciência aberta, não é uma situação isolada. Em nome da “sustentabilidade”, há uma pressão imensa para que os periódicos acadêmicos cobrem dos autores a publicação de seus artigos. Caso contrário, na ausência de outras formas de apoio, teriam que repassar os custos aos leitores. Existem revistas estrangeiras cobrando o equivalente a R$ 15.000,00 ou até mais para um brasileiro publicar seu texto; revistas nacionais que já se submeteram à ideia cobram valores também na casa dos milhares de reais. Uma vez que a publicação em periódicos acadêmicos, além de garantir a circulação do conhecimento, é importante para a formação do currículo do pesquisador e para a qualificação dos programas de pós-graduação, cabe perguntar: quem pagará por isso?

 

Certamente não serão os pesquisadores sem dinheiro ou as instituições mais periféricas. Recursos de universidades públicas, que poderiam ser utilizados para financiar as revistas brasileiras, já estão sendo empregados para pagar editoras acadêmicas comerciais que, na outra ponta, cobram valores exorbitantes para que as bibliotecas universitárias possam disponibilizá-las a seus professores e alunos (comprometendo o orçamento das bibliotecas e, portanto, a atualização dos acervos de livros). Trata-se de um negócio muito lucrativo. Não por acaso, nos últimos anos a Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea recebeu – e rechaçou, evidentemente – várias propostas de venda de sua “marca” para editoras predatórias.

 

Diante desse quadro, decidimos que não podemos nos impor mais sacrifícios para continuar a editar a revista – um trabalho que não “dá pontos” no currículo, não conta na carga horária, não é remunerado e não recebe praticamente nenhum apoio ou mesmo reconhecimento. Juntaremos nossas forças para resistir em outras frentes, em defesa da democracia, da justiça social, da ciência e da educação pública. Agradecemos enormemente a colaboração de centenas, talvez milhares de colegas pesquisadores nesses mais de 20 anos, que nos enviaram artigos, deram pareceres, ajudaram na divulgação da revista. Foi um lindo trabalho coletivo.

 

Brasília, 26 de maio de 2021.

 

 

Regina Dalcastagnè, Universidade de Brasília (editora-chefe)

Patrícia Trindade Nakagome, Universidade de Brasília (editora científica)

Laeticia Jensen Eble, Universidade de Brasília (editora-executiva)

Leocádia Aparecida Chaves (secretária executiva)

Paula Dutra, Instituto Federal de Brasília (editora da seção temática)

Paulo César Thomaz, Universidade de Brasília (editor da seção temática)

Sandra Assunção, Université Paris Nanterre (editora da seção temática)

Anderson da Mata, Universidade de Brasília (editor da seção de tema livre)

Igor Ximenes Graciano, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (editor da seção de tema livre)

Leila Lehnen, Brown University (editora da seção de tema livre)

Milton Collonetti, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (editor da seção de resenhas)

Edma Cristina Alencar de Góis, Universidade do Estado da Bahia (editora da seção de resenhas)

Livre de vírus. www.avg.com.